Brasil aprova imunoterapia para tratamento de câncer de mama

O registro do atezolizumabe foi publicado nesta segunda-feira (13) no Diário Oficial; terapia prolonga vida de pacientes com tipo específico de tumor.

 


(Foto: Freepik)

 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou o primeiro tratamento de imunoterapia para tratar pacientes com câncer de mama no país. O registro do atezolizumabe foi publicado nesta segunda-feira (13) no Diário Oficial da União.

Esse tipo de terapia aumenta a sobrevida de mulheres com um tipo de câncer de mama específico, o triplo-negativo, com expressão da proteína PD-L1, de 15 para 25 meses.

Segundo o oncologista Carlos Barrios, isso representa 15% das pacientes com câncer de mama, que normalmente são tratadas apenas com quimioterapia.

“Dentro desse grupo de triplo-negativo, 40% se beneficiam desse tratamento. Isso é definido por aquelas que apresentam a expressão da proteína PD-L1”, explica.

O PD-L1 é um receptor localizado na superfície das células que indica a possibilidade de sucesso com o tratamento de imunoterapia.

A presença dessa proteína é identificada por meio de um exame chamado imuno-histoquímico. “Isso está associado a um conceito que é uma das estratégias mais importantes de avanço da oncologia que é identificar grupos de pacientes que tenham mais chance de responder aos tratamentos”, afirma.

“Triplo-negativo” se refere a um tipo de tumor que não apresenta um dos três biomarcadores mais usados na classificação do câncer de mama, que são receptor de estrógeno, receptor de progesterona e proteína HER-2.

Brasil é um dos primeiros países a aprovar tratamento

O médico ressalta que o Brasil é um dos primeiros países do mundo a aprovar esse tipo de tratamento. “Trata-se do primeiro tratamento que evidencia que a imunoterapia funciona para o câncer de mama. Antes, esse tipo de tratamento existia apenas para outros tipos de câncer, como pulmão e melanoma”, afirma.

Barrios é um dos pesquisadores do estudo internacional que envolveu 246 centros médicos de 41 países e comprovou a eficácia do uso do imunoterápico atezolizumabe em conjunto com a quimioterapia para o combate desse tipo de câncer de mama.

A pesquisa foi apresentada no Congresso Europeu de Oncologia (ESMO Congress), em outubro do ano passado e publicada na revista científica The New England Journal of Medicine em novembro.

Esse estudo comprovou a redução de 38% no risco de progressão da doença ou morte do paciente e ganho de 10 meses de sobrevida.

A imunoterapia utiliza medicamentos que fazem com que o próprio sistema de defesa do organismo reaja às células cancerosas, combatendo-as. É considerado menos agressivo do que a quimoterapia, tratamento no qual o medicamento, ao combater as células cancerosas, também afeta as células saudáveis, causando efeitos colaterais.

No caso desse tratamento contra o câncer de mama, a imunoterapia é realizada por meio da aplicação de injeção a cada duas semanas com a função de ativar o sistema imune contra o tumor. “Está dirigida não contra o tumor, mas ao sistema imune, para acordar o sistema imune e fazer com que reconheça o tumor e o mate”, explica.

O câncer de mama é o mais comum entre mulheres no Brasil e no mundo, depois do de pele não melanoma, correspondendo a 29% dos casos novos a cada ano no país, segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer).

Estima-se que haja cerca de 59 mil casos novos por ano no país.

“Novas pesquisas estão sendo conduzidas para avaliar se a imunoterapia ajuda nos outros sub-tipos do câncer de mama. Embora essa seja uma excelente notícia, porque na doença triplo-negativa não haviam boas notícias há muitos anos, é importante destacar que estamos beneficiando só uma pequena porcentagem de mulheres. Ainda é preciso muito trabalho para encontrar remédios que funcionem para outros tipos de câncer de mama”, afirma o pesquisador.

O tratamento será disponibilizado na rede privada e não ainda incorporado ao SUS.

 

Fonte: R7 Saúde.